4 erros comuns ao criar produtos e serviços
Share



Quando a gente está começando a empreender, costuma cometer alguns erros. E continuamos cometendo ao longo da caminhada. Natural do processo de aprendizagem, né? Mas se a gente se ligar, já pode contornar alguns deles, sem precisar tropeçar para enxergar a pedra.

Por isso, compartilho aqui os principais erros que a gente pode vir a cometer. Eu mesma já cometi alguns deles – #quemnunca. Veja se você se identifica, se está caindo ou já caiu em alguma dessas ciladas:

1. Criar aquilo que (só) você compraria

Sim, é legal a gente pensar em criar aquilo que a gente gostaria de ver no mundo. Mas é bom que a gente reflita: “mais alguém, além de mim, gostaria disso?”

Parece óbvio, né? Mas a gente esbarra nisso o tempo todo. É essencial fazer o exercício de refletir se existem pessoas dispostas a pagar por esse produto/serviço. E quem são as pessoas que vão enxergar valor no que a gente está oferecendo.

2. Basear-se somente no que o “mercado diz”

No extremo oposto do tópico anterior, focar-se somente no que o externo dita, pode ser outra armadilha. Primeiro, porque se concentrar só no que parece tendência, faz com que seu negócio fique datado e limitado. E quando essa tendência passar? E qual é o diferencial quando a gente faz o que todo mundo está fazendo? Segundo, porque aquilo que alguma fatia do mercado compraria, não é necessariamente o que você curte fazer ou tem conhecimento sobre, para conseguir se manter nessa linha.

3. Esperar a perfeição para lançar

Outra armadilha comum é ficar dourando a pílula eternamente, esperando que a ideia perfeita venha ou perder tempo demais aperfeiçoando o que nem ganhou existência, porque fica só no plano das ideias.

Gosto do conceito de Mínimo Produto Viável, em que se propõe a criar o quanto antes uma versão de teste para conferir a aceitação do seu público. Depois você pode incrementar e criar novas versões. O que seria possível oferecer agora mesmo, com os recursos que você já tem?

4. Não saber para quem você está criando

Isso faz com que a gente caia em outros erros. Não saber exatamente quem é nosso cliente ideal, faz com que a gente crie coisas que achamos incríveis, mas não são exatamente o que o cliente valoriza, precisa e se encanta. Saber para quem estamos criando, entender seu universo, o que busca, o que deseja, faz com que criemos para quem vai dizer “sim”. E assim podemos transformar nossos produtos/serviços em algo maior, em uma verdadeira experiência. Além de ser muito melhor nos focarmos naquele tipo de cliente que vamos curtir atender e acompanhar.

 

Já cometeu algum desses erros? Em qual deles, a coisa pega mais para você? Algum outro erro comum que você acha que a gente também precisa prestar atenção? Escreva aqui nos comentários. Vamos trocar ideias e experiências.

 

>> E se você pudesse encontrar outras criativas empreendedoras, conectar, receber feedbacks sobre suas ideias, trocar experiências? E se pudesse ter suporte para sua jornada fluir? Tenho um convite para você: venha para a COLETIVA, a Confraria Secreta de Empreendedoras Criativas. 

 

FOTO: arquivo pessoal. Fotógrafa: Joy Santos

Comentários