Dá para viver daquilo que eu amo fazer?
Share



Se você sente que já se foi o tempo de esperar o trabalho dos seus sonhos e o que você quer mesmo é criá-lo, então chega mais! Temos muito o que conversar!

No meu trabalho com o Coaching, cada vez mais pessoas me buscam querendo transformar seus talentos e paixões em algo produtivo, para que possam ganhar a vida fazendo o que amam. E fico muito feliz em contribuir para que as pessoas construam essa possibilidade passo a passo, de maneira embasada, para que isso não se torne mais um sonho empoeirado numa gaveta qualquer. Isso é o que eu amo fazer! ; )

Vamos direto ao ponto, então? O primeiro passo é descobrir o que, de fato, empolga você. Quais são seus interesses? Quais são suas paixões? Algumas perguntinhas para facilitar:

– Quando você está numa livraria, quais setores você sempre visita? Quais temas você procura?
– Nas suas andanças pela internet, o que você costuma visitar por prazer?
– Quais atividades você faria por horas, sem nem ver o tempo passar?
– Quais assuntos e temas você vive repetindo em suas conversas?
– Que tipo de coisa faz seus olhos brilharem e o coração bater mais animado?

Indo mais adiante: quais são seus talentos e habilidades? Esse campo tem a ver com coisas que você gosta e sabe fazer bem.

– O que você faz naturalmente, sem grande esforço e se sente à vontade quando faz?
– Quando era criança, quais eram as suas brincadeiras preferidas? E o que lhe empolgava nessas brincadeiras? Por trás disso, costumam haver talentos escondidos.
– O que você mais gosta de fazer quando tem tempo livre?
– Pense também em habilidades técnicas e concretas. Pode ser que você tenha aprendido em cursos, experiências, ou que tenha a ver com habilidades como seu tipo de raciocínio, enfim.
– Na sua personalidade, quais são seus pontos fortes?

Até aqui, a gente já teria um excelente material! Você já teria um garimpo dos principais elementos que precisam estar presentes em sua vida profissional para que você se sinta viva, entusiasmada, fazendo o que tem conexão com quem você é e com o que você acredita. Muita gente pararia por aqui e até se daria por satisfeito. Só que tem mais um ponto essencial, que pode levar você a ir bem mais além.

Disso tudo, o que interessa aos outros?

– Pelo que as pessoas lhe pagariam para oferecer a elas?
– Quais interesses o seu cliente ideal comunga com você?
– O que as pessoas estão buscando e ainda não encontraram, ou não encontraram da maneira como elas gostariam? Como você poderia oferecer de forma única e especial?

Essa confluência é crucial para que você converta as suas paixões em um modo de ganhar a vida. Senão, a gente fica naquele papo morno, em que só um fala, mas a mensagem não chega, não rola diálogo, fica sem conexão. Não dá para pensar só: “Ah, eu compraria isso!” ou “Eu adoraria que tivesse um serviço assim disponível no mercado!” Você e quem mais? A sua ideia é abrangente? Para quem ela também se destina?

Então, agora é trabalhar! Caderninho do lado e vamos colocar a cabeça para funcionar um bocado. Faça registros, escreva, coloque em adesivos, faça um quadro, expanda, visualize e perceba as conexões possíveis. De uma coisa eu tenho certeza: vale a pena! Vale a pena pensar e trabalhar em cima dessa possibilidade de viver fazendo o que ama. Concorda comigo?

Descubra mais sobre seus talentos e pontos fortes no Programa Gift. Saiba mais…

Quadro do blog Negócio de Mulher, onde publiquei esse artigo pela primeira vez.

Imagem que ilustra o post: Corbis Images


 

Comentários